Coronavirus preocupa, mas números da Dengue aumentam em Franca

dengue

A pandemia do novo coronavirus (Covid-19) que tem assustado todo o mundo chegou ao Brasil e tem deixado hospitais e profissionais de saúde em alerta máximo. Até o momento, já são mais de 18 mil mortos e, cerca de, 400 mil casos de contágio em 175 países. No Brasil, o Ministério da Saúde já contabiliza quase 50 mortes e 3 mil infectados. E os números não param de crescer.

             A Unimed Franca e o São Joaquim Hospital e Maternidade vêm se preparando, desde que o vírus atingiu a China em dezembro de 2019, para atender toda a demanda necessária de seus clientes. Para isso, criou diversas medidas importantes para conter a disseminação do Covid-19, entre elas o lançamento do Pronto Socorro Online, com atendimento médico virtual, por telemedicina, para dar toda a atenção ao paciente no conforto do seu lar. Também alterou rotinas em suas bases hospitalar e administrativa e tem se tornado referencia no controle do vírus na cidade.

            Porém, mesmo atentos para a chegada do novo coronavírus (Covid-19) à Franca, médicos e outros profissionais da saúde estão preocupados com os números de casos de Dengue que continua aumentando. Em 2019 foram mais de 1,5 milhão de pessoas infectadas e 782 morreram em todo o país. O Estado de São Paulo foi responsável por 33% dos casos de Dengue seguidos de morte.

Em Franca, no mesmo período, foram 2736 casos confirmados da doença e duas mortes. Já no SJHM, somente em 2020, já foram 149 casos suspeitos de Dengue atendidos, contra 13 de Covid-19.

Lembrando que a Dengue é uma doença viral transmitida por mosquitos que ocorre principalmente em áreas tropicais e subtropicais, como o Brasil. Seus sintomas são febre alta, erupções cutâneas e dores musculares e articulares e, em casos graves, há hemorragia intensa e choque hemorrágico (quando a pessoa perde mais de 20% do sangue ou fluido corporal), o que pode ser fatal.

A melhor forma de prevenção da dengue é evitar a proliferação do mosquito Aedes Aegypti, eliminando água armazenada que podem se tornar possíveis criadouros, como em vasos de plantas, lagões de água, pneus, garrafas plásticas, piscinas sem uso e sem manutenção, e até mesmo em recipientes pequenos, como tampas de garrafas.

Fonte: Imprensa (Ana Krauss)