Fliaraxá lança biografia de Carolina Maria de Jesus

Carolina Maria de Jesus

1

Biógrafo Tom Farias mergulhou na vida e obra dessa mineira, que viveu na favela do Canindé em São Paulo, e revela detalhes da mulher que se tornou um dos marcos da escrita feminina no Brasil

Na década de 60, a anônima Carolina Maria de Jesus ganhou o mundo quando o jornalista Audálio Dantas fez uma matéria jornalística na Favela do Canindé e conheceu Carolina e o seu diário. A obra teve tiragem inicial de 10 mil exemplares que esgotaram em uma semana. Ela também já foi traduzida para mais de 14 idiomas desde o seu lançamento. Foi para contar as nuances da vida dessa mulher que chocou o mundo com os relatos do cotidiano na favela, que o escritor Tom Farias percorreu os lugares que fizeram parte da história de Carolina, a começar por Sacramento, em Minas. O fruto desse trabalho, Carolina: uma biografia, será lançado durante o Fliaraxá na mesa Biografia e/ou Romance Histórico, marcada para quinta-feira, dia 20 de junho.

Escritor, professor e crítico literário Tom Farias faz, nesta edição, sua estreia no Fliaraxá. Em Carolina: uma biografia, ele revela detalhes da vida e obra da autora do consagrado Quarto de despejo: diário de uma favelada. Tom Farias explica que decidiu estudar Carolina devido ao peso que ela tem na história. E muito além de fazer uma biografia tradicional com o relato dos fatos em ordem cronológica, Tom Farias buscou contar quem de fato ela era. "Eu quis humanizar a Carolina. Fui três vezes à Sacramento, no cartório, cemitério", comenta.

Além da viagem à cidade natal de Carolina, Tom Farias também recorreu a parentes da autora e a tudo que se falou sobre ela. Aí entraram notícias de jornais e outros comentários. Tudo isso para ser o mais fidedigno possível e mostrar diversas nuances da história de Carolina Maria de Jesus.

Escrita feminista

Carolina Maria de Jesus foi uma escritora brasileira, uma das primeiras a ganhar esse título sendo uma mulher negra. Nasceu em Sacramento, Minas Gerais, microrregião de Araxá. Contudo, viveu boa parte da vida na Favela do Canindé, zona norte de São Paulo. Durante todo esse tempo, Carolina cuidava de si mesma e dos filhos sendo catadora de papel.

Carolina Maria de Jesus era conhecida em sua época como favelada, suja, mendiga. Deixou de ser assim quando, em 1960, o jornalista Audálio Dantas fez uma matéria jornalística na Favela do Canindé e conheceu Carolina. Enquanto era catadora de papel, Carolina registrava o seu dia a dia em cadernos que encontrava no meio do material que catava. Um desses diários deu origem ao livro mais famoso da autora, Quarto de despejo: diário de uma favelada. "O livro Quarto de despejo provoca a questão nacional da favelização presenciada por Carolina, pois em relatos da sua rotina ela deixou expostas fissuras e fístulas da sociedade em que vivia", explica Tom Farias.

O livro

Tom divide Carolina: uma biografia em algumas partes. Na primeira, apresenta a Carolina de Sacramento e as dificuldades que passou ao lado da mãe na infância. Esse fragmento conta a história da menina que viveu em Minas Gerais, a mesma que os leitores conheceram no livro Diário de Bitita (apelido de infância de Carolina).

Juntamente a isso, Farias mostra as origens afro-brasileiras de Carolina e completa o texto "O sócrates africano" escrito por ela. Sendo assim, neste momento, o autor apresenta a pouca formação escolar de Carolina, o sofrimento da infância, a prisão sem motivos da mãe e outros traços de uma país assombrado pela escravidão.

Na segunda parte, aparece a Carolina das cidades grandes. O foco vai para São Paulo, onde ela viveu até a sua morte. Tom Farias explica melhor como a autora chegou à favela do Canindé, sua vida como catadora de papel e o esforço para criar os filhos. Ela também já tinha seu projeto literário, visitando jornais e ficando em contato com revistas.

Já na terceira parte, a obra mostra Carolina famosa pelo sucesso do seu livro. Dessa maneira, Tom Farias conta a história da publicação de Quarto de despejo e os números que essa publicação alcançou. Aborda também a recepção do livro no Brasil e no exterior e a relação de Carolina Maria de Jesus com o movimento negro e personalidades famosas com quem conviveu.

Todo esse relato é acompanhado de fotografias e documentos.

Serviço: VIII Fliaraxá - Festival Literário de Araxá

De 19 a 23 de junho de 2019

Local: Tauá Grande Hotel Termas de Araxá

Rua Águas do Araxá, s/n - Barreiro, Araxá - MG

Informações: www.fliaraxa.com.br

[email protected]

* Divulgação