Nova Promotora de Justiça chega à Sacramento

Promotora de Justiça

Atuando oficialmente desde a última quarta-feira (9) em Sacramento, a promotora Carla Rodrigues Fazuoli (foto) recebeu a reportagem do TOPUAI para uma rápida explanação de como se dará seus trabalhos na 2ª Promotoria da Comarca desta cidade.

A promotora atuava na Comarca de Santa Bárbara - a cerca de 100 km da capital Belo Horizonte, a qual era titular da 1ª Promotoria, que inclui ainda Catas Altas e São Gonçalo do Rio Abaixo.

A ex-titular do Ministério Público em Santa Bárbara traz uma vasta experiência com a Comarca deste município, que foi considerada sendo a que tinha mais ações ajuizadas tramitando em todo o estado de Minas Gerais. Na época, ela divulgou que 9.158 processos estavam em tramitação, sendo despachados em primeira entrância.

Ela atuará em Sacramento juntamente com a 2ª Vara comandada pela juíza Ivana Fidélis. Sobre a recepção, ela se diz motivada: “na verdade fui surpreendida, de uma forma bem positiva. Recebida de forma calorosa pela população, Ministério Público, servidores do Fórum, juízes... estou muito satisfeita, isso superou todas expectativas”, contou.

Sobre os processos, timidamente ela admitiu que ainda não se inteirou pelo pouco prazo que teve: “estou tomando conhecimento sobre alguns pontos específicos, mas de modo geral, como são apenas três dias que estou aqui, ainda estou me adaptando, conhecendo a rotina da promotoria, dos servidores, das audiências...”. Admitiu ainda que a realidade não são de poucos processos, estima-se em mais de 8 mil.

Prisão dos vereadores em Santa Bárbara - E não foram somente os numerosos processos que desdobraram a rotina da promotora naquela cidade. Ela comentou rapidamente da Operação Apolo 13, da Polícia Civil, deflagrada em 2017, que apura crimes de corrupção, falsificação de documentos e fraude em licitações. Neste mês, o julgamento que poderia cassar o mandato dos vereadores de Santa Bárbara foi suspenso. A Câmara justificou que cumpre uma decisão liminar da Justiça. Parlamentares seriam julgados por quebra de decoro e conduta incompatível após a operação da PC.

E ela faz um alerta importante aos políticos locais:

“Faço questão sempre que os políticos, os representantes do povo, realmente exerçam a função pela qual eles foram eleitos. Representar os interesses do povo e não os interesses particulares, pessoais e financeiros. O Ministério Público tem a atribuição de verificar, caso tenha alguma irregularidade, tomar as providências cabíveis. No caso de Santa Bárbara, a providência cabível foi realmente afastar uma parte, prender vários e enfim muita coisa ainda está sendo apurado. A situação lá saiu do controle, foi um ponto fora da curva. Espero que os políticos de Sacramento não tenham a mesma conduta, não ajam da forma que os políticos de lá agiram, pelo menos de acordo com a investigação realizada. Pode até ser que surgem provas de que eles são inocentes. Ainda não há uma sentença, mas até então pelo que foi apurado tem indícios bem fortes”.

Sobre os crimes cometidos na Internet, ela também frisou que merece uma atenção e um apelo para que a sociedade saiba compreender a dimensão que isso é causado.

 “O Ministério Público tem um setor que trabalha especificamente em crimes cibernéticos. Sendo necessário, vou pedir cooperação dos órgãos técnicos para poder apurar autoria, porque estas questões temos que combater pois o dano causado na sociedade tem grande repercussão,”, pontuou.

* Redação/Daniel Afonso