Segundo mutirão da dengue recolhe 41 caminhões de lixo; situação do Águas do Vale ainda é preocupante

Dengue

O segundo mutirão de limpeza, ação promovida através das secretarias municipais de Saúde e Obras e Serviços Urbanos, lotou cerca de 41 caminhões de lixo, recolhidos de todos os bairros da cidade.

O foco da operação era o recolhimento do lixo principalmente nos pontos onde se formava criadouros do mosquito Aedes aegypti, responsável pela transmissão da dengue, febre amarela, zika e chikungunya.

De acordo com o educador em saúde, Bergson Evangelista dos Santos, mesmo com o resultado da ação sendo altamente positiva, é preocupante ainda o fato da população não se conscientizar com a questão.

“Recolhemos 41 caminhões, foi mais que no início do ano que foram 36, mas fica a preocupação pelo fato de não estarem reduzindo a quantidade de lixo nos quintais. Esperava que fossem recolhidos menos caminhões nesse segundo mutirão, uma parte da população ainda não está levando a sério a prevenção, toda a equipe de Saúde e de Obras têm consciência do trabalho feito, mas os moradores precisam ajudar mais”, afirmou.

Equipes das duas secretarias com ajuda de poucos voluntários, se dividiram entre os bairros da cidade, limpando ruas e quintais das residências, que muitas vezes por falta de cuidado, acabam deixando algum recipiente com água parada, onde o mosquito se reproduz. A concentração na Praça da Basílica teve início às 6h30 e durou até às 13h.

Sacramento e Rifaina continuam preocupados com a situação de clubes aquáticos abandonados

As Prefeituras de Sacramento e Rifaina, seguem lutando para que os clubes Águas do Vale e Wet World, construídos na divisa entre os dois municípios, não continuem sendo criadouros de mosquito da dengue.

Segundo informações da Prefeitura de Rifaina, em publicação no seu portal, até agora os esforços de uma solução amigável têm sido difíceis, estuda-se a medida de ingresso de pedido de intervenção do Ministério Público Estadual, com o acionamento, no caso, da Promotoria Pública em Sacramento ou do Ministério Público Federal em Passos.

De Sacramento, o educador em saúde Bergson comentou à nossa reportagem que a equipe trabalha a cada dois meses e todos os locais do clube Águas do Vale que acumulam águas, são tratados.

“A questão é que a Prefeitura já alertou várias vezes os proprietários do clube quanto a mudança necessária no local e infelizmente não tivemos retorno”, afirma.

Em Rifaina, já são 23 meses sem nenhum registro de Dengue; em Sacramento, somente em 2017, foram até o momento, confirmados 13 casos, porém a incidência é considerada baixa.

* Redação/Daniel Afonso