Sind-UTE participa de encontro em Uberlândia e convoca para greve nesta terça

SINDUTE

Em carta aberta à comunidade, o Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG) – subsede de Sacramento (MG), divulgou greve geral prevista para esta terça-feira (11) em todo o Estado. A informação foi repassada pela presidente do sindicato local, Augusta Furtado.

Dentre as pautas de reivindicações, a categoria cobra o pagamento do piso salarial profissional nacional, quitação do 13º salário do ano passado e fim das políticas que, conforme os profissionais, têm dificultado o acesso à educação pública em Minas e gerado desemprego.

Clique AQUI e leia a Carta Aberta à Comunidade Escolar pelo Sind-UTE

Leia no final da matéria o posicionamento da Secretaria de Estado de Educação referente à publicação da nota sobre o diálogo aberto que almeja com os representantes sindicais.

Encontro em Uberlândia

Professores da cidade de Sacramento estiveram no último sábado (8) em Uberlândia participando do II Encontro de Diretores das Subsedes do Sind-UTE do Alto Paranaíba e Triângulo Mineiro.

De acordo com Augusta Furtado, de Sacramento, foi mais um encontro positivo entre os diretores com os convidados: deputada estadual Beatriz Cerqueira, deputado federal Rogério Correia e o professor da UFU Cláudio do Mauro. Todos dissertaram sobre a atual conjuntura do Brasil e do Estado de Minas Gerais.

Segundo eles, “estão acabando com a Educação Pública, pois além de não pagar o Piso, parcelam o nosso salário, não pagaram também o 13° salário como haviam prometido em campanha. Disseram também, que a greve instaurada para o dia 11/02/020 é necessária, pois ainda não iniciou o ano letivo, por isso não vai causar corte no processo de aprendizagem do aluno”.

A presidente da subsede local ainda enfatizou: “é muito grave a situação das escolas públicas, pois estão caminhando a passos largos para a municipalização, terceirização e militarização da Educação. Diante das medidas do Governo, as escolas estão vivendo caos por causa do fechamento de turmas, diminuição de vagas e os transtornos pelas matrículas online, falta de vagas no período integral, professores, entre outros problemas”.

Quanto à questão ambiental, o encontro tratou de assuntos como: a situação das barragens, a poluição da água com agrotóxicos, desmatamentos e outros.

----

"A Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE/MG) respeita o direito constitucional de greve dos servidores da Educação do Estado e reitera que tem mantido um diálogo franco e aberto com representantes sindicais. Várias agendas foram realizadas, ao longo de 2019, com os representantes das entidades sindicais e do Governo do Estado nas quais assuntos da área da educação foram debatidos. A SEE/MG reforça que os canais de diálogos continuarão abertos para que as reivindicações da categoria possam ser apresentadas e discutidas.

Sobre o processo de matrícula, a SEE/MG esclarece que está inaugurando nesse ano o processo informatizado de matrícula escolar para os alunos oriundos de outras redes ou que desejam mudar de escola. Esse procedimento, já utilizado na maioria dos estados brasileiros, vem gerando maior transparência nos critérios de alocação nas escolas de maior procura. Importante destacar que 97% dos alunos que realizaram a pré-matrícula foram encaminhados para uma, entre as três primeiras opções de escolas informadas no ato da pré-matrícula. Pela primeira vez, as famílias puderam indicar até dez unidades de ensino de sua preferência.

A SEE/MG informa que as dúvidas das famílias estão sendo esclarecidas, caso a caso, por meio do canal de atendimento “fale conosco” disponível no site da secretaria (www.educacao.mg.gov.br). Para garantir um bom atendimento, é importante enviar, nesta comunicação, o número de inscrição, o nome completo do aluno, a data de nascimento, a filiação e município da escola.

A Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag) informa, também, que vem recebendo e dialogando com representantes dos sindicatos de todas as categorias. Até o momento, 70% dos servidores da Educação receberam o 13° salário integral. Para concluir o pagamento e pôr fim ao parcelamento de salários por seis meses, o Governo do Estado conta com a operação financeira do nióbio. A Seplag informa ainda que a remuneração inicial na rede estadual é de R$ 2.135,64 para a carga horária vigente de 24 horas semanais. Considerando a proporcionalidade sobre o valor do vencimento básico, equivale a R$ 3.304,23 para uma jornada de 40 horas, atendendo à legislação nacional. Além disso, em 2019, foram aplicados em educação 25,32% da receita de tributos e impostos arrecadados, índice superior ao estabelecido pela Constituição Federal."