Feti reúne quase mil jovens no seminário: Caminhos para o Futuro

feti

Estimular a inserção do jovem aprendiz no mercado de trabalho, por meio de ações que promovam o seu desenvolvimento pessoal e profissional foi à proposta do 1º Seminário “Caminhos para o Futuro: o desafio de tornar o aprendiz protagonista” realizado nesta sexta-feira (24), no Teatro Cine Vera Cruz.

Promovido pela Fundação de Ensino Técnico Intensivo “Dr. Renê Barsam” – Feti, o evento contou com a presença de quase 1000 jovens que participaram de palestras proferidas por parceiros da instituição, entre esses, Ministério Público de Minas Gerais – representado pelo promotor de Justiça da Defesa da Criança e do Adolescente de Uberaba Dr. André Tuma; a gerente de relacionamento corporativo da empresa Araunah, Ana Tomé; As fiscais do Ministério da Economia/Secretaria Secretaria de Inspeção do Trabalho – Jovem Aprendiz, Raquel Baldo (Uberaba e Região) e, Christiane Azevedo Barros (coordenadora estadual), que falaram sobre a importância do jovem no aspecto social e profissional.

“O prefeito Paulo Piau determinou que déssemos total atenção para a promoção de ações que valorizassem esses jovens. Com o apoio do nosso empresariado, que desempenha papel fundamental para que esses aprendizes entendam a sua importância diante da sociedade, buscamos realizar este evento que busca a sua valorização”, diz o presidente da Feti, professor Eduardo Callegari.

A auditora fiscal e coordenadora da fiscalização do Programa Jovem Aprendiz no estado e uma das palestrantes, destacou que encontros como este são necessários e ressaltou Uberaba como um dos municípios que apostam significativamente no potencial de adolescentes e jovens no mercado de trabalho.  

“Essa é a porta de entrada desse público que estão recebendo qualificação de qualidade. Isso garantirá que eles se tornem protagonistas de uma nova história da vida deles. O índice de desemprego desse público é três vezes maior que o restante da população. A falta de experiência e a falta de qualificação são os maiores fatores”, enfatizou.

Ainda segundo ela, Minas Gerais contratou mais de 40 mil menores aprendizes no último ano. “É importante que eles conheçam e entendam sobre legislação do trabalho e sobre a contratação do menor aprendiz. O resultado dessa força de trabalho e convencimento das empresas sobre este tipo de contrato é o maior responsável. Estivemos na entidade qualificadora e vimos que o trabalho vai além e atende necessidades como assistência às famílias, acompanhamento da freqüência escolar. Uberaba é um grande referencia”, parabenizou.

Apoiadores– O promotor de Justiça e coordenador regional das Promotorias da Infância e da Juventude, André Tuma, também foi uma dos palestrantes. Ele destacou a relevância do seminário e durante o bate papo com os presentes, reforçou o papel do jovem aprendiz como fundamental para o futuro profissional do País.

Relato – Julia Gabriella Alves, de 16 anos, foi contratada recentemente como assistente administrativo. Para ela, a Feti desempenha o papel de acolhedora. “Sou muito grata por ter tantas oportunidades de fazer cursos e de já estar trabalhando. Muitos jovens não têm essa oportunidade e por isso sou muito feliz em ter conseguido o meu espaço”, declarou.

Participaram do evento a primeira dama e madrinha de honra da Feti, Heloísa Piau; o vice-prefeito, João Gilberto Ripposati; o deputado Estadual, delegado Heli Andrade ‘Grilo’; o presidente da Câmara Municipal, Ismar Vicente ‘Marão’ dos Santos; o secretário de Governo, Luiz Dutra; o secretário adjunto de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Inovação, Fúlvio Ferreira; o líder do prefeito da Câmara, vereador Rubério Santos, além de representantes da sociedade civil e autoridades políticas.

Lei de oportunidades - A Lei 10.097/2000 prevê a contratação, por meio de empresas, de jovens com idade entre 14 e 24 anos como aprendizes.

O contrato de trabalho pode durar até 16 meses – Feti e empresa, e durante esse período, o jovem é capacitado na instituição formadora e na empresa, combinando formação teórica e prática.

Os jovens têm a oportunidade de inclusão social com o primeiro emprego e de desenvolver competências para o mundo do trabalho, enquanto os empresários têm a oportunidade de contribuir para a formação dos futuros profissionais do país, difundindo os valores e cultura de sua empresa.

Para mais informações consulte o Manual da Aprendizagem do MTE. O manual reúne toda legislação que regulamenta a implementação da Lei da Aprendizagem.

Fonte: Jor. Sabrina Alves (Secom/PMU)