Memorial Chico Xavier recebe da Comunhão Espírita Cristã acervo inédito e raro do médium

Chico Xavier

Os documentos já estão em processo de identificação, e acordo de cooperação técnica com a UFTM vai auxiliar a concretização do Centro de Pesquisa e Documentação do Patrimônio Cultural do Espiritismo

No mês de aniversário do médium Chico Xavier, além de programação comemorativa preparada especialmente para a data junto ao Grupo Espírita da Prece, o Memorial Chico Xavier também celebra nova parceria com a UFTM e comemora o recebimento de um acervo raro e especial pela Comunhão Espírita Cristã, com materiais inéditos sobre o médium e a doutrina espírita.

O material está sendo trabalhado pelo Memorial Chico Xavier desde setembro de 2017. A equipe revela que o acervo, dentro da identificação já iniciada, contém originais de livros datilografados, além de fotos, livros, dossiês, cartas, catálogos, pesquisas e mais de 80 títulos de periódicos diferentes, entre revistas e jornais, brasileiros e estrangeiros quejá foram levantados até o momento. Um dos achados mais especiais encontrados, foram documentos relativos à Exposição Espírita Permanente, projeto da década de 1960 que visava construir um espaço de memória espírita em Uberaba, contendo inclusive cópias de planta arquitetônica, identificada como um desenho de Oscar Niemeyer.

De acordo com o museólogo da Fundação Cultural de Uberaba, Carlos Vitor Silveira, o material tem importante relevância na preservação da história de Chico Xavier e do Espiritismo. "É uma honra para o Memorial poder receber, pesquisar e trabalhar com este material que é único, inédito e muito importante. O processo de trabalho com o acervo já teve início e passa por uma série de etapas e procedimentos técnicos, como a identificação, higienização e registro. Posteriormente teremos como avaliar e estabelecer as melhores formas de catalogação e recuperação das informações contidas no material", explica ele.

O atual presidente da Comunhão Espírita Cristã, Nereu de Sousa, conta que o material do acervo ficou muito tempo guardado e sem conhecimento. Ele acredita ser um material importante na parte histórica da vida de Chico Xavier. "Esse material foi encontrado por acaso, em um cômodo lacrado no fundo da casa onde viveu Sr. Wilker Batista e sua esposa, ao lado da residência onde o Chico morava. Por ocasião da saída do Chico da Comunhão Espírita, o senhor Wilker continuou residindo na casa. O local hoje está inabitado, e um colega percebeu que o telhado deste barraco tinha caído. Foi quando esse material foi encontrado".

O acervo descoberto foi cedido ao Memorial Chico Xavier por um contrato de comodato com prazo indeterminado, e o objetivo é identificar todo o material para a devida catalogação e posteriores exposições e acesso ao público. "Pelo fato de não termos capacidade técnica para lidar com este material, e por ele não ter ficado bem armazenado, nós decidimos procurar alguém que pudesse nos ajudar na questão de restauração e no cuidado de manuseio. E neste processo tivemos a alegria de encontrar apoio na parceria com a Fundação Cultural. É um material que vai poder ser aproveitado para a posteridade, e é muito importante centralizar, organizar e manter este material bem condicionado para estar disponível para a população" avalia Nereu.

A Comunhão Espírita Cristã foi a primeira casa espírita fundada por Chico Xavier e seus companheiros em Uberaba, com sua vinda para a cidade. Ali os trabalhos do médium foram desenvolvidos de 1959 a 1975, antes da fundação da Casa da Prece. As atividades na Comunhão Espírita continuam ativas e com a forte memória de seu médium fundador, com o reconhecimento da grandeza de seu trabalho e valor em prol da história e divulgação da doutrina espírita.

Quanto ao tratamento do material, o museólogo da FCU esclarece que o acervo tem um grande volume e cerca de 20% do material já foi analisado até o momento, com os cuidados técnicos necessários. "Já encontramos coisas muito interessantes e importantes, e este pode ser um significativo arquivo da doutrina espírita brasileira, em termos de variedade. A maioria dos documentos foram constituídos na década de 60, segundo o levantamento até o momento, mas também já descobrimos documentos do início do século que também estavam guardados ali.", revela Carlos Vitor.

"Estamos aos poucos remontando histórias, e queremos trazer estes materiais à luz do conhecimento do público a partir da recuperação e do conhecimento sobre o conteúdo", diz Carlos.

Parceria com a UFTM – A partir do recebimento do acervo da Comunhão Espírita, o Memorial Chico Xavier também avançou na concretização do Centro de Pesquisa e Documentação do Patrimônio Cultural do Espiritismo alocado no Memorial Chico Xavier. Uma parceria com a UFTM, por meio do curso de História da instituição, será importante ferramenta para o desenvolvimento das pesquisas e da preservação da história contida nos documentos.

De acordo com o museólogo Carlos Vitor, foi firmado um acordo de cooperação técnica entre a FCU e UFTM que será valido inicialmente por 5 anos, estabelecendo princípios básicos de cooperação acadêmica, científica e cultural que venham a ser desenvolvidos pelas partes envolvidas. "Entre os objetivos, esta parceria visa dedicar-se à pesquisa, documentação e conservação, sendo um espaço que reúna, produza e convirja informações, acervos e coleções no intuito de preservar o Patrimônio Cultural do Espiritismo, incentivando pesquisas na área, bem como sua transmissão ao público", esclarece o museólogo da FCU.

Além disso, oportunizando estágios para estudantes de História, a parceria pretende desenvolver projetos de pesquisa relativos à Museologia, História, Memória e Patrimônio, e ainda elaborar publicações relativas à divulgação das pesquisas. Os envolvidos terão o desafio de criar exposições, garantir a salvaguarda do acervo, elaborar projetos de documentação e preservação e disponibilizar ao público o acesso à informação.

Segundo o coordenador do curso de História da UFTM, o professor Flávio Saldanha, a parceria com a Fundação Cultural é um passo importante para a consolidação do curso. "Esta é uma oportunidade para um campo de atuação a mais para os alunos, na medida em que eles participarão deste processo de identificação e de catalogação do acervo recebido pelo Memorial, no que diz respeito à literatura e história espírita. Firmar parcerias é uma política do curso desde sua criação, em 2009, e essa parceria com o Memorial Chico Xavier é mais um passo na política de consolidação e de estabelecimento de parcerias do curso com órgãos públicos e privados. Isso complementa de forma muito positiva a formação interdisciplinar dos alunos".

* Comunicação PMU/FCU