PPP da iluminação vai gerar economia de R$ 18 milhões ao ano aos cofres públicos

iluminação pública

A eficiência do sistema permite 55% de economia de energia em comparação ao convencional 

O Município gera hoje uma fatura média de iluminação pública de R$ 1,2 milhão e arca com outros mais de R$ 300 mil de manutenção do sistema. Com a Parceria-Público-Privada, ao final de 18 meses quando toda a cidade estiver iluminada com led, a redução calculada e comprometida em contrato é de 55%. A eficiência representará, em média, a valores de hoje, R$ 18 milhões anuais, recursos que poderão ser investidos em outras áreas.

De acordo com o secretário municipal de Serviços Urbanos e Obras, Antônio Sebastião 'Toninho' Oliveira, a vida útil das lâmpadas de led é da ordem de 50 mil horas, o que equivale à aproximadamente 12 anos.

A partir destes números, calcula-se economia total de cerca de R$ 1,5milhão por mês ou R$ 18 milhões ao ano. A redução será gradativa, conforme seguir a instalação do sistema de led pela cidade. Em seis meses a fatura deve cair para R$ 992,8 mil, gerando economia de R$ 191,2 mil. Em doze meses o pagamento deve ser de R$ 763,4 mil, uma redução R$ 420,7 mil, fechando em 18 meses, com a toda a cidade dotada das novas luminárias, com fatura de R$ 532.861,10 e economia de R$ 651,3 mil mês.

Telegestão e Controle. De acordo com 'Toninho', o orçamento com manutenção reduzirá graças à longa vida útil do produto, evitando que as luminárias sejam trocadas ou ajustadas constantemente. O led, diz ele, otimiza o aproveitamento energético evitando desperdícios, possui ligamento instantâneo e fluxo luminoso bem mais potente e amplificado que o convencional. Ele completa que o próprio design das luminárias aperfeiçoa a distribuição da luz para que o máximo da iluminação seja aproveitado.

Opção mais moderna disponível hoje o sistema a ser instalado em Uberaba prevê telegestão em todo (100%) parque de iluminação, o que possibilitará completa gerência dos pontos; controle total das luminárias; redução e controle do consumo de energia; melhora no índice de ofuscamento para veículos e pedestres e iluminância com mais eficiência nas vias públicas.

Jorn. Gê Alves (SECOM/PMU)