Sebrae e ICBC se unem para capacitar pessoas com deficiência

sebrae

O Sebrae e o Instituto de Cegos do Brasil Central (ICBC) se uniram para compartilhar princípios do Empreendedorismo com pessoas com deficiência visual, em uma iniciativa pioneira em Uberaba/MG. Uma oficina, realizada na última quinta-feira (6), abordou questões ligadas ao tema Empreendedorismo: uma nova percepção e marcou o início da parceria entre as instituições. Para o presidente do instituto, Felício de Jesus Dias da Costa, a junção de esforços entre as entidades será essencial para motivar pessoas cegas ou com deficiência visual a empreenderem. “Queremos trazer o caminho do sucesso, mostrando que, apesar das limitações, qualquer pessoa pode chegar ao topo e ter sucesso em um negócio. Assim, vamos trazer a inclusão e a igualdade que sempre almejamos”, destaca.

A oficina foi ministrada pelo consultor do Sebrae Minas, Elder Lima, que falou, entre outros pontos, sobre as características de um empreendedor. “Trouxemos conhecimento e falamos dos impactos de um negócio. Este primeiro encontro foi primordial, pois, a partir daqui, traçaremos um projeto para ser efetivado futuramente”, pontuou. Elder lembrou ainda que essa é a primeira ação do Sebrae Minas em prol da inclusão de pessoas com deficiência. “É o primeiro trabalho realizado com deficientes visuais e cegos. Foi um aprendizado mútuo. Compartilhei informações sobre empreendedorismo e aprendi com cada participante e com seus exemplos de superação”, finalizou.

O professor de Informática Ademar José do Nascimento foi um dos participantes da oficina e falou sobre o desejo de abrir o próprio negócio. “Ainda estou estudando qual o melhor formato, mas tenho certeza de que o Sebrae será essencial nessa caminhada”, opina. “Demos o primeiro passo de uma longa jornada. O Sebrae chegou aqui com o foco de nos incluir efetivamente no mercado de trabalho”, observa a fisioterapeuta Luanna Honorato Diniz, que há um ano e 10 meses atende no ICBC. Luanna nasceu com glaucoma e, aos dois anos, perdeu a visão do olho esquerdo.  Aos sete, teve a visão do olho direito comprometida, mas nunca deixou de fazer planos. “O apoio do Sebrae nos deu mais força para continuar, mostrou que temos valor e que, assim como qualquer outra, queremos crescer, empreender, ganhar nosso próprio dinheiro e usá-lo para realizar sonhos”, conclui.

Fonte: Pituca Ferreira - Assessora de Imprensa do Sebrae Minas