Ao completar 210 transplantes renais, HC-UFTM realiza primeira cirurgia do tipo em 2018

transplantes

O Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (HC-UFTM) realizou nesta quarta-feira (10), o primeiro transplante renal de 2018.

De acordo com o hospital, trata-se de um procedimento intervivos, onde neste caso, a decisão é de exclusivo arbítrio do doador, que num gesto solidário, fez a doação. A doadora no caso, foi a senhora Maria Zélia Ramiro, 59 anos, que fez a boa ação ao irmão José Ramiro, 64. Ambos moram em Uberaba (MG). O hospital divulgou ainda o sucesso da cirurgia e que os irmãos passam bem. O transplantado deve receber alta dentro de sete dias.

“Decidi doar o rim para possibilitar a melhoria de vida do meu irmão, após ver o desgaste pelo qual ele passava durante o período de um ano e quatro meses em que fez hemodiálise. Mais do que um órgão, é uma doação de amor e de vida. Precisamos nos sensibilizar diante da necessidade e sofrimento do outro, e fazer a nossa parte”, relata Maria Zélia, emocionada.

Com esta cirurgia, o hospital chegou ao número de 210 transplantes renais, realizados desde 1981. Somente em 2017, foram 14 cirurgias, sendo quatro com doadores vivos.

Para o nefrologista Vilmar de Paiva Marques, chefe da Unidade de Cirurgia Geral, Captação e Transplante do HC, ao superar a média de um transplante renal por mês, o Hospital atinge uma produtividade expressiva e satisfatória, para uma cidade de médio porte. 

“É necessário conscientizar a população sobre a importância de se autorizar as doações de rins a partir de recém-falecidos, a fim de estimularmos o aumento nesse número. Os procedimentos intervivos, por sua vez, são permitidos na legislação brasileira entre parentes consanguíneos até o quarto grau ou cônjuge, servindo de alternativa para reduzir o tempo de espera por um órgão de doador falecido”, observa Marques.

Quando previamente saudáveis, os doadores têm expectativa de vida normal após a cirurgia, complementa o médico. Já os transplantados seguem em acompanhamento ambulatorial contínuo, já que passam a utilizar imunossupressores para evitar a rejeição do órgão.

A lista de espera por um rim chega a 60 pessoas no hospital. Quatro delas estão em preparo para receber doação de parente vivo, nos próximos meses.

Outros transplantes - de janeiro a dezembro de 2017, o Hospital de Clínicas da UFTM captou 70 córneas, 20 rins, sete fígados e quatro corações. Houve, no período, 48 transplantes de córneas, 14 de rins e quatro de medula óssea na instituição.

* Redação/Comunicação HC-UFTM