Campanha de Vacinação contra Influenza começa na próxima quarta-feira

vacinacao

A Secretária de Saúde de Uberaba inicia a 21ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza na próxima quarta-feira, dia 10 de abril. A Campanha deve ir até o dia 31 de maio de 2019, com o dia “D” a ser realizado no dia 4 de maio. A meta em Uberaba é vacinar 66.594 pessoas, que correspondem a 90% do grupo prioritário (100% - 73.993), sem somar as pessoas com comorbidades.  As pessoas com doenças crônicas não transmissíveis somam aproximadamente 19 mil pessoas.

A influenza é uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório. A transmissão ocorre por meio de secreções das vias respiratórias da pessoa contaminada ao falar, tossir, espirrar ou pelas mãos, que após contato com superfícies recém contaminadas por secreções respiratórias pode levar o agente infeccioso direto à boca, olhos e nariz.

Segundo o diretor de Vigilância em Saúde, Robert Boaventura na ocasião da vacinação de crianças, gestantes e puérperas, também será feita a atualização da Caderneta de Vacinação. “A vacina é tri-valente, protegendo contra três tipos de vírus, e este ano temos uma pequena alteração no grupo prioritário da campanha. O grupo das crianças devem estar na faixa etária de 6 meses a menores de 6 anos de idade (5 anos, 11 meses e 29 dias), sendo que antes era até menores de 5 anos”, explica Boaventura.  A vacinação será das 8 às 16 horas.

Grupos prioritários - A vacinação é voltada para os grupos prioritários, conforme preconizado pelo Ministério da Saúde. Podem vacinar pessoas com 60 anos ou mais, crianças na faixa etária de 6 meses a menores de 6 anos de idade (5 anos, 11 meses e 29 dias), as gestantes, as puérperas com até 45 dias após o parto, os trabalhadores da saúde, os professores das escolas públicas e privadas e os grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis (tais como diabetes, doenças cardíacas crônicas, doenças hepáticas crônicas, imunossuprimidos, obesidade mórbida e transplantados, entre outros) e outras condições clínicas especiais, além das pessoas privadas de liberdade. A meta é vacinar pelo menos 90% dos grupos elegíveis para a vacinação.

Para os profissionais da saúde, a vacinação é feita com somente apresentação da carteira de registro profissional do Conselho da categoria, e no caso dos professores, eles podem apresentar o holerite ou um documento que seja comprovante. Já para os portadores de doenças crônicas, é preciso laudo médico, que deverá ser apresentada no ato da vacinação.

Fonte: Jorn. Clarice Sousa (Secom/PMU)