Coluna MOTIVA AÇÃO - Mais importante que aprender, é se permitir reaprender

Coluna MOTIVA AÇÃO

                                                                                Por Gilvan Falcão


Um milionário excêntrico que queria ser sábio resolveu fazer uma viagem à Índia para contatar um guru. Lá chegando, foi até um castelo nas montanhas, onde encontrou um homem sábio. 

 

Aproximou-se e disse: 

 

- Senhor guru, eu quero ser sábio! 

 

O homem sorriu diante da solicitação direta do milionário e com a voz pausada disse: 

 

- Pois não, isto não tem nada de difícil; aliás, o senhor chegou em um momento muito importante, pois estamos exatamente na hora do chá. 

 

E tomando o bule indagou: 

 

- O senhor aceitaria uma xícara de chá? 

 

O milionário prontamente aceitou, e o guru pegou uma xícara e começou a servi-lo. Foi enchendo, enchendo a xícara até que xícara encheu e o chá começou a transbordar, mas, mesmo assim o homem sábio continuou colocando chá. 

 

O milionário, sem entender, e percebendo que o homem sábio não parava de colocar o chá na xícara disse apontando para a xícara: 

 

- Sr. Guru, está transbordando!

 

O guru olhou para o milionário sem cessar de colocar o chá na xícara e respondeu-lhe: 

 

- Eu sei - e completou - esta xícara está exatamente como sua cabeça, ou seja, enquanto não tirar o que ela tem dentro, nada de novo conseguirá colocar nela. 

 

Qualquer pessoa – ou organização – que suponha que o que sabe e o que a levou a ter sucesso no passado terá de continuar para garantir sucesso no futuro, fatalmente estará fadada ao fracasso. 

 

Quando um paradigma muda, tudo volta a zero. 

 

Seu conhecimento e seu passado não garantem nada no mundo se as regras mudarem. Assim, este é o maior desafio de nossos tempos o de aprender a desaprender para, só depois aprender e aprender algo novo. 

 

Aliás, desde que Peter Senge lançou seu livro A Quinta Disciplina que se fala muito em aprender a aprender. Aprender não é só uma questão de se inscrever em um curso e ser alimentado de informações à força. 

 

O verdadeiro aprendizado vem de ter curiosidade constante sobre o mundo e aproveitar as várias oportunidades que surgem. 

 

Requer leitura e questionamento constantes, afinal, o segredo para uma vida calmamente satisfatória é o conhecimento. 

 

Infelizmente, a quantidade mínima de conhecimento aceitável aumenta constantemente, e o conhecimento em si muda com a regularidade de uma queda d’água. 

 

Isto significa que o que anteriormente estava no topo, hoje não tem nada a ver. 

 

É possível ser exótico, talvez, quando se tornar obsoleto, mas não interessante, uma vez que algo interessante depende de se ter interesse. 

 

O hábito de aprender é o que nos realiza, nos faz sobreviver e nos mantém interessados. 

 

Neste sentido é claro que é importante, mas por outro lado, acredito que aprender a desaprender seja muito mais difícil. 

 

Existem três condições para você aprender: Vontade, disciplina e metodologia.

 

Se você tiver vontade, disciplina e um método, não tenho dúvidas de que irá aprender. 

 

Agora aprender a desaprender exige estas três condições e mais outra variante importante, que é a humildade. 

 

Você pode estar pensando “o Rubens pirou de vez.” Calma, eu explico. 

 

Aprender a desaprender significa evoluir, deixar aquilo que acreditamos e aceitar novas verdades. 

E como é difícil. 

 

Existe uma ferramenta em qualidade total que se chama 5S, em que o primeiro S é o que os japoneses denominam de Seiri, que significa descarte. 

 

Você não imagina como é difícil convencer as pessoas a abrir mão de objetos e coisas, a resistência é terrivelmente grande. 

 

O triciclo do Juninho está pendurado no teto da despensa. Como descartar, é o triciclo do Juninho, mas o Juninho está com 20 anos de idade. 

 

Aquele vestido de noiva no armário e assim por diante. 

 

Se é difícil descartar estas coisas físicas e materiais, agora você imagina descartar idéias, dogmas e verdades absolutas que adquirimos ao longo da vida? 

 

Minha querida vovozinha não acredita que o homem pisou na lua. 

 

Ela é burra? 

 

É claro que não, ela apenas esqueceu de desaprender. 

 

Gente, eu não estou dizendo que temos que esquecer. 

 

Desaprender não é esquecer as coisas que aprendemos ao longo da vida, eu estou dizendo que temos que usar as coisas novas. 

 

Isto é evolução. 

 

Aprender talvez seja uma das coisas mais fáceis, e todos nós estamos aptos para isso, basta um pouco de esforço e dedicação. 

 

Mas apenas aprender, não é suficiente. 

 

Mais do que aprender, é preciso desaprender. 

 

É preciso estar aberto às mudanças. 

 

Só assim poderemos evoluir. 

 

Desaprender significa deixar nossas verdades de lado e aceitar novas verdades. 

 

Enfim, aprender a desaprender significa aprender a olhar as coisas de forma diferente, não considerando apenas o que os outros pensam e sim construir as próprias verdades.

Texto:Rubens Fava