Cobradores de ônibus estão perdendo a função em Uberlândia

Márcio

O presidente do Sinttrurb, Márcio Dúlio, diz que mais de 900 cobradores podem perder o emprego

Apesar de não haver um levantamento exato, o Sindicato dos Trabalhadores no Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de Uberlândia (Sinttrurb) aponta que a maior parte das linhas do transporte público que ligam bairros aos terminais, já não têm cobradores. Isso aconteceria principalmente à noite e durante os finais de semana. Na noite dessa quinta-feira (29), uma audiência pública discutiu o assunto na Câmara dos Vereadores.

De acordo com o presidente do sindicato, Márcio Dúlio de Oliveira, mais de 900 cobradores podem perder seus empregos com a iniciativa das empresas do transporte público de manter apenas os motoristas nos veículos. O argumento das empresas, segundo o Sinttrurb, é uma pesquisa que apontaria que 64% dos pagamentos pelo uso do transporte público hoje seriam por bilhetagem eletrônica. Os pagamentos com dinheiro, na nova configuração, seriam recebidos pelo próprio motorista.

Por causa disso as dispensas dos cobradores começaram. Entre segunda e sexta-feira, segundo Márcio Dúlio, as linhas verdes, chamadas de alimentadoras, em sua maioria já não têm a figura do cobrador após as 19h30. O mesmo ocorreria no fim de semana após as 14h do sábado. Ele diz que no caso dos ônibus que rodam pela região do Terminal do Industrial a situação é pior. “Além dos cobradores, motoristas que não têm habilidade de dirigir e cobrar podem perder emprego também”, disse o presidente do sindicato.

Ele argumenta ainda que os cobradores ajudam motoristas em outras demandas das corridas, como organização dentro dos carros e até mesmo de manobras, além de auxiliarem os usuários. O sindicato já apresentou ao Legislativo do Município um indicativo de projeto de Lei que regulamenta a presença dos cobradores, ato que ainda não teve prosseguimento mesmo com requerimento tendo sido levado ao Executivo.

A reportagem do TopUai procurou o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Triângulo Mineiro (Sindett) em busca de informações sobre o assunto, mas na sede da entidade os telefonemas não foram atendidos durante a tarde. Questionada sobre uma possível discussão sobre o fato, a Prefeitura respondeu “que a contratação ou demissão de funcionários é de responsabilidade exclusiva das empresas concessionárias do transporte público e não da administração municipal” e que “não há por parte da Prefeitura qualquer ação que vise influenciar na atividade dos cobradores”.