Rombo na previdência dos servidores de Uberlândia é de R$ 2,2 bi

O superintendente do Ipremu, André Goulart, durante reunião na Câmara, onde apresentou a real situação financeira do Instituto

O déficit atuarial do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Uberlândia (Ipremu) é de R$ 2,2 bilhões, segundo o relatório mais recente sobre a situação financeira da instituição, que motivaram uma reunião na primeira sessão ordinária da Câmara de Vereadores de Uberlândia, realizada nesta segunda-feira (3). Uma Comissão Parlamentar de Inquérito pode ser formada para avaliar a situação do Ipremu nos próximos dias.

O superintendente do instituto, André Goulart, esteve na reunião a convite do vereador Hélio Ferraz – o Baiano (PSDB). Segundo ele, o déficit que anteriormente chegou a ser citado pelo prefeito Odelmo Leão no valor de R$ 1,3 bilhão estava desatualizado e o mais novo relatório mostra um valor superior. O déficit atuarial mostra quanto o instituto precisaria ter em caixa para o pagamento dos servidores caso todos se aposentassem hoje. Atualmente o Ipremu cobre 15,5 mil trabalhadores do Município, sendo 12 mil ativos e 3,5 mil aposentados e pensionistas.

Goulart também citou uma dívida de R$ 156,7 milhões em parcelamentos anteriores e recolhimentos feitos em folha dos servidores e não repassados para o instituto. A maior preocupação do superintendente, contudo, são os investimentos que ele considera de alto risco e teriam trazido prejuízos na ordem de R$ 12 milhões. Durante a exposição feita em plenário, André Goulart apontou 27 fundos de investimento nos quais a gestão Gilmar Machado teria aplicado quase R$ 350 milhões dos cofres do Ipremu. “A situação é preocupante. Esses fundos não têm liquidez e se tirarmos agora, poderemos perder boa parte do investimento. Mas não sabemos o que teremos de retorno no futuro”, afirmou.

CRP - O Município de Uberlândia precisa acertar a situação do Certificado de Regularidade Previdenciária junto ao Governo Federal. Vencido desde março desse ano,é preciso acertar as contas do junto à União para a renovação. Sem o chamado CRP, a Prefeitura fica impedida de receber uma série de repasses federais.

Vereadora propõe CPI para investigar as contas

A vice-líder do Prefeito, Michele Bretas (PSL), propôs em tribuna a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar o uso dos recursos e a gestão em geral do Instituto de Previdência de Uberlândia. Para a criação é preciso a assinatura de pelo menos nove vereadores e muitos dos legisladores se mostraram interessados em apoiar a comissão durante a sabatina feita ao superintendente do instituto, André Goulart.

Gilmar diz que défict cresceu ainda sob a gestão do seu antecessor

Por meio de nota, o ex-prefeito Gilmar Machado disse que o déficit atuarial do Ipremu cresceu durante a gestão anterior de Odelmo Leão, passando de R$ 275 mil a R$ 1,2 bilhão, entre 2007 e 2012. A nota ainda diz que por conta da criação do Plano de Cargos e Carreiras e também atualizações da expectativa de vida feitas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) afetaram o cálculo da dívida atuarial do Município. O texto ainda cita que o CRP foi mantido regular durante a gestão de Machado.